quinta-feira, 14 de abril de 2011

Campos do Jordão dos anos 50


No próximo dia 30/04, a homenagem do Cineclube Araucária vai para a cidade de Campos do Jordão que em 1953 recebeu a equipe de filmagem e serviu como cenário para um dos maiores clássicos da Cinematográfica Vera Cruz: Floradas na Serra, de Luciano Salce. Todos estão convidados a rever imagens fascinantes da nossa querida Campos do Jordão dos anos 50 e da nossa grande atriz Cacilda Becker. Então, porque não embarcar conosco nessa viagem?



CACILDA BECKER

Cacilda Becker Iaconis nasceu em Pirassununga (SP), no dia 6 de abril de 1921. Foi atriz e um dos maiores mitos dos palcos nacionais. Filha do imigrante italiano Edmondo Iaconis, Cacilda tinha apenas nove anos quando seus pais romperam o casamento e sua mãe viu-se obrigada a, sozinha, criar três filhas, uma delas a também atriz Cleyde Yáconis. Por este motivo, fixaram-se na cidade de Santos, onde Cacilda ainda jovem freqüentou os círculos boêmios e mais vanguardistas, já que por ser filha de pais pobres e separados não podia estabelecer amizade com pessoas da alta sociedade. Cacilda começou no teatro paulista como atriz amadora e se profissionalizou em 1948. Neste ano, Nydia Lícia recusou um papel na peça Mulher do Próximo, de Abílio Pereira de Almeida, produzida pelo Teatro Brasileiro de Comédia, para não ter que beijar nem dizer "amante" em cena, pois isto podia lhe custar o emprego numa importante loja. Cacilda, que a substituiu, exigiu ser contratada como profissional, acabando com o velho preconceito de que artista sério deveria ser diletante. Em 30 anos de carreira, Cacilda Becker encenou 68 peças, no Rio de Janeiro e em São Paulo; fez dois filmes e uma telenovela na TV Tupi além de outras participações em teleteatros na televisão. Foi ela quem inaugurou o Teatro Municipal de São Carlos com a peça Esperando Godot no começo de 1969. Pois foi durante uma apresentação do espetáculo Esperando Godot, que encenava com o marido Walmor Chagas, na capital paulista, em 6 de maio de 1969, que Cacilda sofreu um derrame cerebral e foi levada para o hospital, ainda com as roupas do seu personagem. Morreu após 38 dias de coma e foi enterrada no Cemitério do Araçá, com a presença de uma multidão de admiradores.

Cinema / Televisão / Teatro

Fez apenas dois filmes, Luz dos Meus Olhos em 1947 e Floradas na Serra em 1953, no auge da Companhia Vera Cruz. Em TV marcou presença em vários teleteatros nas décadas de 50 e 60 e fez apenas uma novela, Ciúmes em 1966 na TV Tupi. Foi no teatro que ele conseguiu todas as glórias e viveu personagens inesquecíveis. Teve uma rápida passagem pela companhia Os Comediantes, comandada por Ziembinski, e logo depois foi para o Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC, onde ficou dez anos. Saiu em 1958 para montar sua própria companhia, Teatro Cacilda Becker, que dirigiu até o final da vida. Entre seus trabalhos mais marcantes no palco estão Pega Fogo, Adorável Júlia, Antígona, O Anjo de Pedra, Jornada de um longo dia para dentro da noite, A Visita da Velha Senhora , Quem tem medo de Virgínia Woolf e Esperando Godot. Cacilda teve um derrame cerebral em função de um rompimento de um aneurisma quando encenava a peça, ao lado de Walmor Chagas, seu marido, em 6 de maio de 1969. Prontamente socorrida, Cacilda ficou em coma por 38 dias no Hospital São Luiz e ao falecer foi definida pelos colegas como "a maior atriz brasileira, a melhor amiga de seus amigos e a mais combativa representante da classe teatral brasileira".

Assista a diva do teatro, Cacilda Becker, contracenando com o marido, o ator Walmor Chagas, nesta peça publicitária do óleo de soja Saúde da Anderson Clayton, veiculado em 1962.


Nenhum comentário:

Postar um comentário