sábado, 10 de outubro de 2015

LUZES, CÂMERA... LIVROS - A BIBLIOTECA DE CINEMA DE CAMPOS DO JORDÃO

Um espaço para ler e sonhar

A luz natural bate generosa e ilumina a história do local. Junto aos projetores do antigo Cine Glória, uma sala acolhedora abriga um bem guardado tesouro de Campos do Jordão, a novíssima Biblioteca de Cinema. É com o entusiasmo contagiante de Cervantes Souto Sobrinho, idealizador do projeto e o empreendedor por excelência de atividades ligadas ao cinema em Campos do Jordão, que vamos conhecer este lugar mágico.

As vidraças históricas proporcionam luz natural para
a Biblioteca de Cinema
O acervo de base da Biblioteca de Cinema foi formado a partir da biblioteca pessoal de Cervantes. A esta coleção inicial foram acrescentadas inúmeras obras e títulos com doações pessoais e de instituições. Hoje são cerca de 500 publicações, 80% delas sobre cinema. Os demais livros são basicamente romances que viraram filmes. Há também uma videoteca à disposição do público. O espaço estava bastante degradado e sua recuperação física aconteceu através de uma parceria com o Instituto Federal de Campos do Jordão”, conta Cervantes. Felizmente essa é uma situação que ficou no passado. Hoje podemos nos acomodar para ler os preciosos e curiosos livros da coleção, sentados em emblemáticas e confortáveis poltronas que evocam o estilo art-deco, que estava em voga entre os anos 20 e 40 do século XX, época de ouro do cinema. E ainda sermos estimulados o tempo todo por cartazes de filmes e fotos de astros e estrelas do cinema, banhados pela luminosidade suave da montanha. A Biblioteca de Cinema é frequentada principalmente por estudantes. Mas Cervantes comenta que cada vez mais turistas têm visitado o espaço, que está se transformando num ponto de atração da cidade. O local também tem sido utilizado por diversas Associações como local de reunião.

Mas essa biblioteca tão especial é apenas uma das peças de um projeto muito maior relacionado ao cinema em Campos do Jordão. Cervantes conta que, em novembro de 2104 inscreveu, através do Cineclube Araucária, um projeto no ProAC (Programa de Ação Cultural do estado de São Paulo), que foi reconhecido e premiado com uma espécie de financiamento. O dinheiro do prêmio já rendeu à cidade iniciativas expressivas, como a Mostra Temática de Cinema, o Cine Música, a Exposição de Cinema Paulista e, principalmente, o Complexo Cultural Edmundo Ferreira da Rocha e a Oficina de Cinema, projetos que certamente se tornarão cada vez mais conhecidos. O nome “Complexo Cultural Edmundo Ferreira da Rocha” foi uma iniciativa do Cineclube Araucária, com apoio da Secretaria Municipal de Cultura, e faz uma homenagem justíssima a um dos mais atuantes pesquisadores e estudiosos da história e do registro fotográfico de Campos do Jordão. O Complexo, que funciona no piso superior do Espaço Cultural Dr. Além, é formado pela Biblioteca de Cinema e pelo Memorial do Cine Glória.

Memorial do Cine Glória
O projetor original do cinema, tendo ao fundo os grandes
carreteis que permitiam a projeção sem interrupção
No Memorial é possível conhecer os projetores originais do antigo cinema, que foi inaugurado em 1943, e ver ao seu lado os grandes carretéis que emendavam um filme inteiro e permitiam sua projeção sem interrupções ou falhas. Os carretéis foram criados e utilizados por Edson Oliveira, que foi o último projecionista do cinema e que é hoje o vice-presidente do Cineclube Araucária, além de ser Administrador do Telecentro de Campos do Jordão.
Está no Memorial, totalmente recuperada, a bombonière original do Cine Glória, ou seja, o balcão onde eram vendidos balas e doces para quem ia assistir aos filmes. Há também uma curiosa máquina registradora que emitia o borderô – o movimento de público da sessão. Para os apaixonados por cinema, é curioso conhecer a máquina de cortar filmes. Cervantes relata, com esperança no olhar, que ainda há muito para ser recuperado, como trailers e documentários da época. 


A bombonière do antigo Cine Glória,
totalmente recuperada
Um dos pilares mais interessantes do projeto de Cervantes é a Oficina de Cinema, que funciona atualmente na Escola da Vila Albertina e tem 48 alunos, sendo um verdadeiro celeiro de talentos para o futuro. Os primeiros e consistentes resultados surgirão já este ano, com “1º Festival Curta Campos do Jordão”, que apresentará 8 filmes da Oficina. 
Obrigado, Cervantes, pelos projetos e realizações. É impossível visitar a Biblioteca de Cinema de Campos do Jordão e o Memorial do Cine Glória sem sermos envolvidos pelo potencial deste lugar, um espaço que certamente receberá cada vez mais leitores, pesquisadores, fãs de cinema, estudantes, turistas e entusiasmados visitantes. Venha conferir você também e deixe-se levar pela magia do cinema e da história de Campos do Jordão.






Biblioteca de Cinema de Campos do Jordão
Espaço Dr. Além – Avenida Januário Miráglia, 1582 – Abernéssia (Como Chegar) - 2ª a 6ª, das 9 às 17 horas e durante as sessões de cinema










Curta a pagina dos Amigos da Biblioteca de Campos do Jordão no facebook
Leia também: Bibliotecas de Campos do Jordão – A casa azul de Dona Maria do Carmo
Carlos Abreu é do grupo ABCJ – Amigos da
Biblioteca de Campos do Jordão, é membro efetivo
da Academia de Letras de Campos do Jordão e
vice-presidente da AMECampos



Nenhum comentário:

Postar um comentário